SustentabilidadeTecnologia

A Tetra Pak testa uma novidade na indústria: uma barreira à base de fibra para substituir a camada de alumínio

A substituição da camada de barreira de alumínio em caixas assépticas por fibra ou outros materiais deve gerar benefícios ambientais marcando um avanço na jornada da empresa em direção a uma embalagem asséptica totalmente renovável, esse material inovador à base de fibra substitui a camada de alumínio, com a ambição de reduzir a pegada de carbono e tornar as embalagens pós-consumo mais atraentes para os recicladores ambientais, mantendo os alimentos protegidos.

A Tetra Pak , em um esforço para desenvolver e comercializar embalagens de alimentos mais sustentáveis, está substituindo o alumínio em suas embalagens cartonadas assépticas por materiais que reduzem a pegada de carbono e melhoram a reciclabilidade – tudo sem comprometer a segurança alimentar.

Recentemente publicamos sobre o problema mundial do Alumínio que afeta muitos setores da economia e no momento está impactando no mercado de embalagens alta barreira tanto de embalagens flexíveis quanto às próprias caixinhas da Tetra Pak. Veja a reportagem neste link: Embalagens: crise do Alumínio obriga convertedores a rever estruturas laminadas de alta barreira

Atualmente, a empresa está testando duas alternativas para substituir o alumínio: (1) uma camada de barreira à base de fibra; e (2) uma barreira à base de polímero. O teste do consumidor da barreira à base de fibra segue a bem-sucedida validação da tecnologia comercial de 15 meses da Tetra Pak da versão à base de polímero.

A Tetra Pak informa que está investindo € 100 milhões (ou cerca de US$ 107 milhões, na taxa de câmbio atual) por ano nos próximos cinco a 10 anos na melhoria da sustentabilidade das embalagens de alimentos. O investimento ajudará a financiar o desenvolvimento de embalagens feitas com estrutura de material simplificada e maior conteúdo renovável.

A camada de alumínio em embalagens cartonadas assépticas convencionais desempenha um papel essencial na proteção de alimentos, mas é um impedimento à sustentabilidade. Uma embalagem cartonada Tetra Pak típica de 1 litro é composta de 70% de papelão, 25% de polietileno e 5% de alumínio.

Gilles Tisserand, vice-presidente de Clima e Biodiversidade da Tetra Pak

O objetivo da Tetra Pak “é desenvolver a embalagem de alimentos mais sustentável do mundo, totalmente feita de materiais renováveis ​​de origem responsável, totalmente reciclável e neutra em carbono. A substituição da camada de alumínio é uma prioridade de desenvolvimento para atingir esse objetivo”, diz Gilles Tisserand, vice-presidente de clima e biodiversidade da Tetra Pak numa entrevista à revista Packaging Digest.

Eva Gustavsson, vice-presidente de materiais e embalagens da Tetra Pak, acrescenta: “Abordar questões complexas, como mudanças climáticas e circularidade, requer inovação transformacional. É por isso que colaboramos não apenas com nossos clientes e fornecedores, mas também com um ecossistema de start-ups, universidades e empresas de tecnologia, fornecendo-nos acesso a competências, tecnologias e instalações fabris de ponta.”

“O alumínio é um material não renovável de base fóssil que requer processos complexos e que exigem muita energia. Apesar de ser mais fina que um fio de cabelo humano, a camada de alumínio atualmente usada em embalagens de alimentos contribui com um terço das emissões de gases de efeito estufa ligadas aos nossos materiais básicos”, acrescenta Tisserand.

As questões de reciclagem são outro problema de sustentabilidade para o alumínio. Tisserand explica que a reciclagem da camada de alumínio das embalagens cartonadas assépticas da Tetra Pak “está faltando em grande escala, portanto, são necessários para acelerar uma mudança progressiva.

“A montante, substituir a folha de alumínio por materiais mais compatíveis pode ajudar significativamente. A colaboração a jusante e transfronteiriça e o coinvestimento com recicladores e players do setor são fundamentais para a expansão em escala.”

A partir do final de 2020, a Tetra Pak iniciou uma validação de tecnologia comercial no Japão para uma barreira à base de polímero.

As descobertas dessa validação concluída influenciaram os testes de barreira à base de fibra da Tetra Pak, nos quais a empresa está trabalhando em estreita colaboração com os clientes. As embalagens de porção única que incorporam o material à base de fibra estão agora nas prateleiras para testes do consumidor, e uma validação da tecnologia está planejada para o final de 2022.

Artigos relacionados

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Botão Voltar ao topo